01 –  Expectativa – 12 de junho de 2018

– Sentar-se confortavelmente /Fechar os olhos / Respirar lenta e profundamente 3 x, Relaxe;

– Mentalmente, você se transporta para um bosque muito bonito, se encanta com a beleza do lugar, com os sons da natureza, com o cheiro das plantas… está um dia lindo, mas, de repente, as nuvens se fecham e derramam algumas gotas de chuva suave; você entende que é uma chuva abençoada e, imediatamente, recolhe algumas gotas na sua boca e na sua língua, então as nuvens se abrem e o sol volta a iluminar esse lugar precioso. Com tantas belezas, você elege uma das alamedas para adentrar. A energia desse local é tão incrível que você não resiste e corre para abraçar uma árvore; esse é um abraço de troca de energia, você dá e recebe energia comungando com toda a natureza. Se sentindo muito bem, entende que é hora de retornar e se dirige para a saída. Ali você encontra um  presente com um bilhete escrito: para você. Surpreso, você se senta para abrir o presente e se comove por tê-lo recebido desse lugar tão especial.

– Se sentindo muito bem, agradecido pela experiência vivida, você pode voltar ao aqui e agora, respirando e voltando e, no seu tempo, abrindo os olhos.

  • Falando de Sentimentos;
  • Abertura da caixa e simbolismo da mesma;

– Simbolismo da pedra bruta: Nas ciências ocultas é a síntese do aprendiz; na pedra estão contidas todas as possibilidades.

 

02 – Paciência – 19 de junho de 2018

 

  • Apresentações;
  • O que é sentimento de PACIÊNCIA?
  • Texto Beatriz Breves – Paciência.
  • O tema será revelado ao longo do encontro;
  • Conexão – Celi Riche:

-permanecer em silencio / observar o corpo na cadeira, sensações, pensamentos e sentimentos;

 

03 – Apreço – 26 de junho de 2018

 

  • Apresentações;
  • O que é o sentimento de APREÇO?
  • Texto Beatriz Breves – Apreço 
  • Vídeo: Man – animação
  • Falando de Sentimentos;
  • Conexão – Celi Riche :

– Sentar-se confortavelmente / Fechar os olhos / Respirar lenta e profundamente 3 x, Relaxe;

– Na conexão com esse sentimento, pergunte a si mesmo: qual é o meu apreço em relação ao planeta? Qual o meu apreço em relação ao outro? Qual o meu apreço em relação a mim mesmo?

– De posse dessas respostas, cada um, no seu tempo, pode voltar ao aqui e agora, respirando e voltando e abrindo os olhos;

 

04 Paixão 3 de julho de 2018 

 

 

05Felicidade 10 de julho de 2018 

  • Apresentações;
  • O que é FELICIDADE?
  • Texto Beatriz Breves – Felicidade.
  • Vídeo: “Animação com ratos”.
  • Falando de Sentimentos;
  • Vídeo: “Felicidade”;
  • Falando de Sentimentos:
  • Vídeo: animação Alike;
  • Falando de Sentimentos;
  • Conexão- Celi Riche:

– Sentar-se confortavelmente / Fechar os olhos / Respirar lenta e profundamente 3x, Relaxe;

-Esse é realmente um sentimento muito especial; todos nós, mesmo que por momentos fugazes, já o vivenciamos em algum nível. Nessa conexão, deixe vir a sua mente esses momentos… sinta o que suas lembranças promovem em você. Veja as cores, os sons, o gosto e os aromas da felicidade experimentada… e se puder, sinta-a também em sua pele. Experimentar novamente essas sensações, pensamentos e sentimentos é como escancarar portas e janelas de nosso ser para que a felicidade nos visite quando e onde quiser.

– Com essa energia, podemos retornar ao aqui e agora… respirando e voltando… e, cada um no seu tempo, abrindo os olhos;

 

06 – Desalento – 17 de julho de 2018

  • Apresentações;

leitura da letra da música Sensação Cinza – Itsari;

Cinza que veste a cidade / Mas cinzenta é, como todas as outras são /

Seja a de São Pedro, São Paulo ou São Sebastião / Sem idealização, fantasia de felicidade / Sem rubor do pecado, da embriaguez da verdade / Sem calor, sol de inverno, frio brilho à visão /

As tardes mais azuis, se não desbotadas, desilusão / Tão melancólico rei astro, imperial majestade /

Traz calor / Langor desfaz / Cinéreo censo / Distrai / Torpor do tédio em cor / Distrai / Fina chuva arde / Desfaz / Baixa névoa dissolve /

Desesperançosa paisagem gelada / Enredo à amargura, trama aveludada / Se sorvido sua força não tenha o desalento / Dê vida ao fictício que escrevo a meu contento / Toque minha pele, creste até estar ardente / Queime e me faça sentir vivo novamente.

 

07 – Desapego – 24 de julho de 2018 

– Sentar-se confortavelmente / Fechar os olhos / Respirar lenta e profundamente 3 x / Relaxe;

– Todos nós temos algum apego, em maior ou menor grau, seja por um objeto ou por uma pessoa ou por uma situação ou mesmo por uma emoção, etc.

Nesse momento, peço a você que eleja um apego para trabalhar nessa conexão. Feito isso, pergunte a si mesmo: o que de pior aconteceria se eu me desapegasse disso? Então se pergunte: o que de melhor aconteceria se eu me desapegasse disso?

Agora, imagine um portal a sua frente. Aproxime-se dele juntamente com o seu apego. Posicione-se de um lado do portal e coloque seu apego do outro lado, de forma que fiquem um de frente para o outro, separados por esse portal. Agradeça seu apego pela função que exerceu em sua vida, nesse espaço/tempo. E,

comunique a sua decisão consciente de que é hora de despedir-se e repita POR 3X:

Eu me liberto, tu me libertas, eu te liberto, nós nos libertamos e somos livres.

Então, uma luz dourada paira sobre o portal e sobre seu apego que, aos poucos, se dissolve até sumir completamente.

Você se sente mais leve, sereno e pleno para prosseguir a vida.

 

 

08 Vaidade31 de julho de 2018

                  

– Sentar-se confortavelmente / Fechar os olhos / Respirar lenta e profundamente 3 x / Relaxe;

– A vaidade, tão comum à espécie humana, é citada por São Tomas de Aquino como um dos sete pecados capitais. Em tempos de photoshop, redes sociais, plásticas, músculos, Botox, etc. a vaidade se apresenta mais do que nunca diante de nós, já que as aparências regem os dias de hoje. Nada contra se esses recursos vierem de encontro ao outro lado do sentimento de vaidade nos proporcionando saúde, autoestima e bem-estar em nossa vida.

– Nesse momento, traga a sua memória uma situação em que você tenha vivenciado esse sentimento, de uma forma ou de outra. Observe como se sentiu e como se sente nesse instante; que sensações, sentimentos e pensamentos te tocam?

– Com essa consciência, podemos voltar ao aqui e agora, respirando e voltando e, cada um no seu tempo, abrindo os olhos.

 

09 Encanto – 07 de agosto de 2018

 

– Sentar-se confortavelmente / Fechar os olhos / Respirar lenta e profundamente 3 x / Relaxe;

– Todos nós, em algum momento em nossas vidas, já nos encantamos com algo como uma flor ou alguém como uma criança, por exemplo, ou com alguma outra situação. Reviva em sua memória esse encantamento atento a cada sensação, pensamento e sentimento que afloram em você. Sinta o que isso promove em você.

– Feita a conexão com esse sentimento, podemos voltar ao aqui e agora, respirando e voltando e, cada um no seu tempo, abrindo os olhos;

 

10 Confiança 14 de agosto de 2018

 

– Sentar-se confortavelmente / Fechar os olhos / Respirar lenta e profundamente 3 x / Relaxar;

– Busque em seu banco de memória uma situação em que se sentiu confiante. Reviva com nitidez sua postura corporal, a luz do momento, assim como as cores envolvidas, os aromas, as sensações e os sentimentos experimentados. Na medida em que você revive esta experiência, aperte o dedo polegar contra o dedo médio de qualquer uma das mãos.

Agora pense em uma situação na qual queira se sentir confiante. Então aperte o dedo polegar contra o médio reforçando as lembranças positivas experimentadas. Imagine tudo acontecendo do jeitinho que você idealizou. Toda vez que precisar se sentir confiante lance mão desse exercício, quantas vezes você quiser;

 

11 Autoestima 21 de agosto de 2018

 

– Sentar-se confortavelmente / Fechar os olhos / Respirar 3x / Relaxar;

– Imagine que você está diante de um grande espelho; observe sua cabeça, seu rosto, olhos, nariz, boca orelhas, seu pescoço, seus ombros, seus braços e antebraços, suas mãos; observe agora seu tórax, sua barriga, o baixo ventre; observe ainda suas pernas, coxas e panturrilhas e também os seus pés;

– Todos nós fazemos uma avaliação e um julgamento de nós mesmos, formando uma autoimagem, ora fiel, ora completamente distorcida da realidade;

– olhe-se nos olhos e se pergunte: a imagem que tenho de mim mesmo condiz com o que esse espelho está refletindo? Se a resposta for sim, coloque sua mão no coração, ainda se olhando nos olhos, e diga parabéns; porém, se a resposta for negativa, se pergunte: o que não está em consonância com o que vejo, nesse momento? A partir da resposta, um bom começo seria aceitar e acolher a sua percepção. Quando nos aceitamos com, com nossas qualidades e imperfeições, podemos construir uma nova versão de nós mesmos, mais autêntica, e uma autoimagem coerente e mais verdadeira;

– Com essa consciência, podemos voltar ao aqui e agora, respirando e voltando e, cada um a seu tempo, abrindo os olhos;

 

12 Amizade 28 de agosto de 2018

 

– Sentar-se confortavelmente / Fechar os olhos / Respirar lenta e profundamente 3 x / Relaxar;

– algumas pessoas tem muitos amigos, outras tem poucos e também há quem tenha apenas um amigo; não importa; nesse momento, eu gostaria que você mentalmente convidasse para essa conexão uma amiga ou um amigo que represente todos os outros;

– O Importante da Amizade – autor desconhecido

O importante da amizade não é conhecer o amigo;

E sim saber o que há dentro dele!…

Cada amigo novo que ganhamos na vida, nos aperfeiçoa e enriquece não pelo que nos dá, mas pelo quanto que descobrimos de nós mesmos.

Ser amigo não é coisa de um dia. São gestos, palavras, sentimentos que se solidificam no tempo e não se apagam jamais.

O amigo revela, desvenda, conforta. É uma porta sempre aberta em qualquer situação.

O amigo na hora certa é sol ao meio dia, estrela na escuridão.

O amigo é bússola e rota no oceano, porto seguro da tripulação.

O amigo é o milagre do calor humano que Deus opera no coração.

– Com essa homenagem, abraçamos nosso amigo ou amiga, em agradecimento, e então podemos voltar ao aqui e agora, respirando e voltando e, cada um a seu tempo, abrindo os olhos.

 

13 Curiosidade 4 de setembro de 2018

 

– Sentar-se confortavelmente / Fechar os olhos / Respirar lenta e profundamente 3 x / Relaxar;

– Está fazendo um lindo dia para um passeio na natureza. Mentalmente, se transporte para um bosque maravilhoso, com alamedas largas e estreitas, árvores frondosas, vegetação de toda a espécie e flores raras de uma beleza incrível. Você adentra uma alameda secundária que te chama atenção pela variedade de  flores. Enquanto passeia sentindo o cheiro do verde e da terra, as cores e observa os encantos da natureza, você se depara com uma grande caixa de presente; é um belo presente, embrulhado em papel finamente decorado, com aquele laço de fita perfeito. Então você se aproxima e percebe um cartão sobre ele escrito: NÃO ABRA.

– E se pergunta: o que estaria fazendo esse presente bem no meu caminho? Quem o teria deixado aqui? Seria para mim? Mas por que não abrir um presente tão bonito? Será que é um presente de verdade ou uma pegadinha? Será que vai ser bom ou não para mim? Será que me vai ser útil? Enfim… Abrir ou não abrir? Você decide.

– Tomada a decisão, é hora de se despedir do passeio e voltar ao aqui e agora. Respirando e voltando e abrindo os olhos;

 

14 Saudade 11 de setembro de 2018

 

-Sentar-se confortavelmente / Fechar os olhos / Respirar lenta e profundamente 3 x / Relaxar;

– Todos nós, em algum momento de nossas vidas, já experimentamos o sentimento de saudade; seja de uma pessoa, seja de uma situação, seja de um lugar ou mesmo de um tempo de quando éramos crianças, de nossa juventude, de quando os filhos eram pequenos, etc.

– Nesse momento, peço que você eleja algo ou alguém para matar a saudade nessa conexão. Se for alguém, beije, abrace, converse… Se for algum lugar ou uma situação, visite-o e reviva os sentimentos envolvidos; se for uma época, o volte no tempo e sinta as sensações e as emoções vividas;

– Então é tempo de despedir-se da pessoa, do lugar, da situação ou da época revividos e, de posse dessas lembranças, voltar ao aqui e agora. Respirando e voltando e, no seu tempo, abrindo os olhos;

 

15 Prepotência 18 de setembro de 2018

 

– Sentar-se confortavelmente / Fechar os olhos / Respirar lenta e profundamente 3 x / Relaxar;

– Todos somos seres racionais e também seres mentais e ainda seres emocionais, sentimentais… Somos seres únicos, singulares em nossa subjetividade, mas também somos semelhantes como espécie humana… E, justamente, por isso podemos nos identificar com semelhante.

– Nesse momento, eu gostaria que você convidasse alguém de sua relação que julga ser prepotente; convide-o a vir conversar frente a frente com você.

– Olhe bem nos olhos dessa pessoa e perceba que diante de você está alguém que, como você, conhece a dor, mas também o prazer… Alguém que pensa tudo poder ou que pensa nada poder… Alguém que sente medo, mas que também sabe amar… Diante de você existe um ser único, especial que, como você, só quer ser feliz.

– Com essa consciência, é hora de retornar ao aqui e agora, respirando e voltando e, no seu tempo, abrindo os olhos;

 

16 Culpa25 de setembro de 2018

 

– Sentar-se confortavelmente / Fechar os olhos / Respirar lenta e profundamente 3 x / Relaxar;

– Todos nós, em algum momento da vida, experimentamos, em maior ou menor grau, esse sentimento.

Nos sentimos culpados ao pensar que poderíamos ter evitado perdas ou sofrimentos, impostos a mim e a outrem, derivados de nossas escolhas.

Em desculpa, nos condenamos ao  exilio,  recusando a felicidade e nos impingindo autopunições  ou autoflagelos que não corrigem os erros e não compensam as dores.

Não importa qual tenha sido a escolha, assumir a culpa é reconhecer o arrependimento e a responsabilidade sobre ela e, a partir de então, nos redimir através do amor e do perdão.

Não importa qual tenha sido a situação, assumir a culpa é reconhecer o aprendizado que o erro proporciona e reconhecer a nossa humanidade com tudo que isso implica, de perfeito e imperfeito.

Nesse momento, nos está sendo oferecida a possibilidade de liberação dessa culpa.

Então eu peço a cada um de vocês que retomem a alegoria do começo do encontro, o objeto que representa e onde está depositada a sua culpa.

Agora convide a pessoa ou as pessoas envolvidas nessa situação a vir conversar com você; mentalmente, peça perdão, diga a ela do seu arrependimento sincero e do seu aprendizado. Agradeça a sua presença em sua vida e nessa conexão.

Então, chegou a hora de você se perdoar. Repita para si mesmo: nesse momento, eu me absolvo da condenação imposta a mim mesmo, transformando toda a dor da culpa em amor,  me perdoando e me libertando para uma vida plena.

Enquanto você repete essas palavras e olha para a sua alegoria, percebe que ela vai se dissolvendo por completo, até sumir;

– Se sentindo muito bem e bem mais leve você pode então retornar ao aqui e agora e, no seu tempo, abrindo os olhos;

 

17- Carinho 2 de outubro de 2018

 

– Sentar-se confortavelmente / Fechar os olhos / Respirar lenta e profundamente 3 x / Relaxar;

– Nesse momento, eu gostaria que você convidasse a sua criança interior para essa conexão, aquele menino ou aquela menina que te habita.

Nossa criança deveria ser nosso mestre; mestre da espontaneidade, que se permite expressar suas emoções sem pudores; choram quando estão tristes e riem quando estão alegres, vivem o presente sem se preocupar com o passado ou o futuro. Acolha essa criança diante de você; abrace-a, dê-lhe as mãos, coloque-a no colo ou, simplesmente olhe-a nos olhos enquanto leio esse poema de autor desconhecido:

Procura-se alguém…
que tenha carinho no olhar.
que tenha leveza nas mãos.
que tenha pureza no coração,
que ame e deixe-se amar.
que cuide e deixe-se cuidar…

Procura-se alguém…
que num gesto tenha o poder do silêncio.
que em uma palavra tenha o poder da ação.
que tenha o sorriso de criança.
que tenha na pele um toque intenso.

Procura-se alguém…
que seja amor puro e sincero.
que seja amigo e fiel.
que seja carinho.
que tenha seu nome.
que seja você!
dê-me sua mão,
deixe-me te guiar por esse caminho iluminado, caminhando lado a lado.

Ninguém consegue entender o amor,
é um sentimento sem limites;

– Agradeça a presença da sua criança com a consciência desse acolhimento, sempre que vocês precisarem. Aos poucos, retorne ao aqui e agora, respirando e voltando e, no seu tempo, abrindo os olhos;

 

 

 18 – Ciúme – 9 de outubro de 2018

 

-Leitura de cartões com frases sobre o ciúme;

 

19- Intolerância 16 de outubro de 2018

 

– Sentar-se confortavelmente / Fechar os olhos / Respirar lenta e profundamente 3 x / Relaxar;

– Intolerância é a incapacidade de conviver com as diferenças, sejam valores, credo, raça, gênero, idéias, etc., gerando preconceitos, rótulos e discriminações. Por exemplo: Odeio gente burra! Não tolero pessoas mimadas! Não suporto pessoas arrogantes! Etc.

– Voltando ao autoconhecimento, eu gostaria de propor um exercício de autorreflexão: aos poucos, eu consigo um olhar afastado da pessoa sentada nessa cadeira, me mantendo observadora de si mesma. Olhando bem nos meus olhos, eu pergunto: o  que em mim não posso tolerar? Minha preguiça, a arrogância, a inveja, a baixa autoestima, minha gula, a submissão, a raiva ou outra coisa qualquer?

Quando me afasto de mim mesma, consigo ter um olhar imparcial e ver minhas próprias limitações. Não importa quais sejam, importa é ser honesta e reconhece-las para que possa aceitar que, como eu, o outro também tem suas limitações.

– Com essa consciência, podemos retornar ao aqui e agora, respirando e voltando e abrindo os olhos.

 

20 – Caridade 23 de outubro de 2018

 

– Sentar-se confortavelmente / Fechar os olhos / Respirar lenta e profundamente 3 x / Relaxar;

-Fazer filantropia envolve um custo benefício seja no âmbito pessoal, social ou financeiro. Já a caridade envolve a simples ativação desse sentir seja através de pensamentos, palavras ou atos, sem nenhuma moeda de troca.

Nesse momento, peço a cada um de vocês um pensamento caridoso para alguém ou para uma comunidade ou um país, por exemplo, uma oração feita com essa intenção.

Mentalmente, faça a mesma coisa com uma palavra para alguém ou para um grupo, por exemplo, uma palavra de esperança ou de estímulo feita com essa intenção.

E, finalmente, pense num gesto caridoso para realizar durante essa semana. Por exemplo, ajudar alguém com uma refeição ou a atravessar uma rua, etc.

– Com essa consciência, podemos voltar ao aqui e agora, respirando e voltando e abrindo os olhos;

 

21- Medo – 06 de novembro de 2018

                                   

-Sentar-se confortavelmente / Fechar os olhos / Respire lenta e profundamente 3 x / relaxe;

– Eleja um medo para fazer essa conexão. Observe como você se sente diante do medo; se paralisa, luta, tenta fugir? Esse medo foi condicionado? Esse medo é contagiante? Quais as evidências de que exista um perigo eminente? Esse medo supera a razão? Mesmo que o perigo exista, de fato, como você gostaria de se sentir diante dele?

Se o perigo é real, o medo é opcional. De posse desses novos elementos e informações, você pode escolher estar diante desse medo de forma diferente, um pouco mais confortável, até incorporar esse novo modo de ver e encarar a situação. Da próxima vez que estiver diante desse medo, se acontecer de, você poderá se comportar da forma que gostaria, pois agora é você quem está no controle;

– Aos poucos, você pode retornar ao aqui e agora, respirando e voltando e abrindo os olhos;

 

22- União – 13 de novembro de 2018

 

– Será que somos unidos?

  • Conexão – Celi Riche:

“Dinâmica das Balas sobre União”;

– Estamos em um avião;

– Recebo a notícia de pane na asa direita;

– Recebo a notícia de pane na asa esquerda;

– O avião começa a perder altitude;

– Mas, de repente, uma boa notícia: a pessoa que estiver com 3 balas do mesmo sabor, vai se salvar…

Reflexão:

– Quem só pensou em si?

– Quem demorou a tomar uma decisão e ficou esperando o outro tomar?

– Quem procurou o que precisava, mas também se preocupou em ajudar o outro?

 

23 – Arrependimento – 27 de novembro de 2018

– Sentar-se confortavelmente / Fechar os olhos / Respirar lenta e profundamente 3 x / Relaxar;vezes,

– Pense em algum arrependimento que tenha vivenciado;

– Todos temos sonhos, objetivos, desejos… e fazemos escolhas no sentido de realiza-los. Algumas vezes acertamos nessas escolhas, outras vezes nem sempre, nos levando ao arrependimento;

– Agora pense em uma realização sua, da qual se orgulhe…e sinta como é boa essa sensação;

– Precisamos aprender a amar e a aceitar nossas criações, sejam elas perfeitas ou imperfeitas, e a abençoar tudo o que fazemos de bom. A questão não é vivermos sem arrependimentos, a questão é não odiar a nos mesmos ou nos culpar e sim nos perdoar;

– O sentimento de arrependimento apenas nos mostra que podemos fazer melhor;

– Com essa consciência, é tempo de voltar ao aqui e agora, respirando e voltando e, no seu tempo, abrindo os olhos;

 

24 – Condenação – 4 de dezembro de 2018

 

“Dinâmica da Pedra”;

– Vivemos em um mundo de dualidades: bom ou ruim, feio ou bonito, grande ou pequeno…

– Algumas vezes, fazemos o contrário daquilo que pensamos ou desejamos. Mas o arrependimento nos faz pensar que nem tudo a gente pode prever ou evitar. E, que existe um caminho entre o ideal e o possível;

– Se, por um lado, nosso coração ficou apertado e nossa mente remoída pela sentença auto imposta, por outro lado, acreditamos nas transformações que podemos promover, em direção ao bem-estar;

– E essas mudanças começam agora: esse cristal de quartzo rosa vai passar de mão em mão para que todos possam depositar nele alguma condenação ou sentença auto imposta por nós;

– (Após lavar a pedra) Passar a pedra de mão em mão para que todos possam depositar seu amor e gratidão por esse trabalho de reconciliação;

 

25 – Perdão – 11 de dezembro de 2018

 

– Sente-se confortavelmente / Feche os olhos / 3 respirações lentas e profundas / Relaxe;

– Nesse momento, quando nos aproximamos do final do ano e de mais um ciclo em nossas vidas, é comum arrumarmos a casa limpando armários, desfazendo coisas que não nos são mais úteis, mas que servirão a outro alguém.

Da mesma forma, também é hora de fazermos uma reflexão e deixar para traz mágoas e rancores que não cabem mais em nossas gavetas da mente e do coração.

Nossa dificuldade em perdoar envolve aspectos psicológicos e emocionais que nos impedem de efetivar esse sentimento em nossas vidas. Podemos citar como exemplo o orgulho, a culpa, a autocrítica, a condenação… e a ideia de que temos que perdoar quem nos magoou.

Bem, a boa notícia é que ninguém magoa ninguém, nós é que permitimos ser magoados pelas mais variadas razões que não nos cabe analisar aqui.

Entretanto, o melhor perdão é o que vem de si e para si mesmo. Perdoar-se é reconhecer a própria humanidade e o seu direito inerente de falhar e isso não invalida todas as suas potencialidades e talentos.

O perdão é a forma mais saudável e livre de seguir a vida com inteligência emocional e espiritual.

– Agora, de forma muito tranquila, eu vou pedir a cada um dos presentes que traga a sua mente uma situação que precise ser perdoada. Então eu peço a cada um que traga diante de si a própria imagem, como refletida em um espelho, para uma conversa.

Geralmente, nossa capacidade de perdoar está associada a nossa capacidade de aceitação. Que imagem você tem a seu respeito para não se perdoar? Que motivo leva um ser humano a negar o perdão a si mesmo? Somos o pior juiz de nos mesmos, também somos o carrasco e somos a masmorra.

Todos nós falhamos em alguns momentos e situações em nossas vidas e isso faz parte da condição humana. Nesse momento, diga a si mesmo: eu abandono deliberadamente a autocensura e me preparo para a mudança. Nesse momento, eu aceito e acolho minhas falhas como ser imperfeito, um ser em constante  aprendizado e construção, em busca de aprimoramento e evolução. Nesse momento, eu me livro de todas as cargas do passado, pois não preciso mais guardar velhas narrativas e a medida que me liberto sinto-me leve .

– Nesse momento, eu escolho receber e deixar o amor fluir em todas as áreas da minha vida, pois eu mereço receber esse amor (3x). Escolher o caminho do perdão é escolher uma vida de paz, harmonia e felicidade.

– Com essa consciência, é tempo de voltar ao aqui e agora, respirando e voltando e, no seu tempo, abrindo os olhos;