FALANDO DE SENTIMENTOS – AMARGURA

AMARGURA

Por Beatriz Breves

Hoje moro na rua da amargura
Onde o dia não se desperta para mim
E o desamparo é o meu vizinho.

Como cheguei aqui? Não sei.
O que fiz comigo? Não tenho ideia.
Só sei que sou um poço de sentimento de amargura.

Entre tristezas e dissabores
Perdi o doce da vida
Me tornei uma pessoa azeda
Para quem, sem sonhos coloridos,
restou apenas os pesadelos cinzas.

Preciso urgentemente me mudar de rua.

Você também pode se interessar por: