SEM COMEÇO E SEM FIM

Tem dias que a gente se vê
Diferente de como pensamos que somos.
Tem dias que sentimos o vigor que temos
Indiferente da direção que se toma.
Tem dias que abrangemos o que fizemos
Não importa a classificação do fruto.
Tem dias que sentimos o quanto que construímos
Algo invisível que se tornou palpável.
Contudo podemos perceber que muito trabalhamos
Tanto no visível assim como no espaço sensível
Ficando implícito a sensação
Que muito fizemos e nada feito.
Porem se esmiuçarmos esta trilha verificaremos
Que cada serviço contribuiu para sustentação do nosso planeta.

Esta entrada foi publicada em Poemas Prosas Poesia por Virginia Sampaio. Adicione o link permanente aos seus favoritos.