O SENTIMENTO DE AUTOESTIMA

Se sentir com valor ou não é resultado de uma autoestima elevada ou baixa. E não necessariamente a pessoa possui o… mesmo sentimento de valor de si mesma em todas as suas áreas de atuação, ou seja, uma pessoa pode se sentir, por exemplo, com muito valor como pai ou mãe, mas com pouco valor como profissional.

Uma criança pequena, até pela fragilidade e sentimento de desamparo que a sua própria condição humana impõe, necessita, para se sentir amparada, vislumbrar aqueles que a cuidam como pessoas poderosas para dar conta de protegê-la da fome, da sede, do frio, do medo, da angustia, da ansiedade, etc. Em contrapartida, se as pessoas que foram consideradas poderosas cumprem o papel de protetores e, ao mesmo tempo, sentem alegria e admiração por aquela criança, elas espelham o sentimento de valor daquela pessoa iniciante na vida, sentimento de valor este que vai sendo introjetado pela criança. E, guardada as particularidades e proporções de cada situação e idade, é na relação com o outro, ao se sentir admirada por aquele que se valoriza, que a pessoa vai configurando o seu sentimento de valor.

Portanto, é no dia-a-dia, pela interação das relações, pela troca de sentimentos, que o sentimento de autoestima vai se estruturando.

Esta entrada foi publicada em Ciência do Sentir on-line por Beatriz Breves. Adicione o link permanente aos seus favoritos.