ESPERANÇA

A esperança fez morada em minha vida.
Vida vivida na dura realidade.
Pé no chão,
Caminhada,
Lagrimas,
Noites insones,
Sem sonhos.
Se eu pudesse renascer como a Fênix,
Que renasce da própria cinza.
Se eu pudesse queimar todo o meu passado,
Juntar as cinzas com tintas coloridas,
E com essa massa desenhar uma roda.
E rodar pra o outro lado
E deixar que a imaginação
Vá pegando tudo o que não vivi.
E reviver a vida na contra mão
Sem deixar que a esperança se esvaia
Enquanto a vida roda, roda, roda…
Um amor é tudo que eu preciso.
Quem sabe um amor,
Rasgado, safado.
Que me vire do avesso
E me deixe debochadamente feliz…

Esta entrada foi publicada em Era Uma Vez... on-line por Iris Seródio. Adicione o link permanente aos seus favoritos.