EM NOME DA RAZÃO

Ao ver postada no Facebook uma foto com diversas crianças mortas, consequência da guerra da faixa de Gaza, senti profunda tristeza.
Eu tive 7, 8, 9 e 10 anos e consegui chegar aos 57, mas aquelas cria…nças não. Elas foram brutalmente assassinadas.
Definitivamente o modelo de adquirir conhecimento está falido e, para mim, a foto daquelas crianças mortas é prova mais do que suficiente desta falência.
A ciência do Sentir compreende que, com a exclusão do sentir, o ser humano vem agregando muita informação, mas nenhum conhecimento. Agrega informação que viabiliza a indústria armamentista, alimentada pelo uso e reposição de metralhadoras, misseis, antimísseis, tanques de guerra, etc.. Mas não adquire o conhecimento necessário para extinguir do planeta este tipo de indústria.
Sem comentários, o fato de alguns seres humanos se considerarem evoluídos por adquirirem o domínio da razão, tornando-se pessoas capazes de estratégias frias e calculistas. Sem comentários, o fato de alguns seres humanos se sentirem no direito de cometerem atrocidades em nome da razão.
Faz-se urgente resgatar o Sentir e incorporá-lo de forma depurada em nosso dia-a-dia e quem sabe assim aprender a lidar com todas a facetas, boas e más, dos seres humanos.
Esta entrada foi publicada em Ciência do Sentir on-line por Beatriz Breves. Adicione o link permanente aos seus favoritos.