ASSIM É SE LHE PARECE

Joana era uma meninamuitoesperta, observava tudo o que acontecia no mundo, desde a criaçãoaté o comportamento das pessoas.

Todos os diasela acordava, abria a janela e dava bomdiapara o sol. Corria para o quarto da mãe e dizia “Levanta mãe que o sol já acordou” Se chovia” levanta mãeque a chuva está lavando o mundo” Às vezes ficava pensativa observando tudo ao seuredor. O sol aquece e o maislegal é queelenão despenca nunca e quando chove ele se esconde, acho que vai dormir .

No céumoratambém a lua e as estrelas. Tudo é perfeito.

Menos as árvoresque se sacodem, mas não podem andarporque estão presas na terra.

Os passarinhos voam paraonde querem. Não é lindo?

Ah! Mas tem a morte. Eunãogosto da morte.

Veja bem! Uma pessoa toma banho, veste uma roupa limpa, bonita, cheirosa e é amada pela família, os amigos… vive feliz.

De repente morre!

A família e os amigos preparam o enterro.

Colocam o morto ou a morta dentro de um caixote – que chamam de caixão – Todo mundo quer dar uma olhadinha no rosto da morta ou morto. Depois de horas de espera alguém fecha o caixão e põe uma tranca para o morto não fugir. Alguém dá uma choradinha básica, sim, se não parece que ninguém está se importando. Depois enterram o defunto bem enterrado na terra, jogam umas flores e todos vão para casa cuidar das suas vidas.

E a pessoa que foi enterrada é logo, logo esquecida. E cada um vai cuidando de suas vidas e aquela pessoa que foi de alguma maneira, tão importante passa a não ser mais nada.

Por isso eu não gosto da morte.

Ah! A outra opção é fazer uma fogueira. Tacar fogo até virar pó, ou seja, apressar o que o tempo fará.

E tem mais, a morte é anunciada durante todo o tempo das nossas vidas. E eu pergunto está certo isso? Claro que não!

O certo seria todos nós virarmos poeira cósmica já que não dá para vivermos eternamente.

Eu vejo assim e você?

Assim é se lhe parece?

 

 

Esta entrada foi publicada em Era Uma Vez... on-line por Iris Seródio. Adicione o link permanente aos seus favoritos.