ABANDONO

Lagrimas escorrem pelas minhas faces.
Choro não pelo que fui mas pelo que não fui.
Choro pelo desconhecido,
Por tudo que não vivi.
Quem me dera renascer
E viver a vida que me roubaram.
Sim me roubaram a vida.
Por que ?
Choro mas não me devolvem nada.
Nasci em tempos rudes,
Aceitei as contradições como lição de vida
E delas me sirvo
Aprendi a viver… o meu abandono!

Esta entrada foi publicada em Era Uma Vez... on-line por Iris Seródio. Adicione o link permanente aos seus favoritos.